quarta-feira, 16 de maio de 2012

Projeto Guri - Benefícios e educação através da música




Com mais de 51 mil alunos distribuídos por todo o Estado de São Paulo, o Projeto Guri é considerado o maior programa sociocultural brasileiro. Desde 1995, oferece continuamente, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação e teoria musical, coral e instrumentos de cordas, madeiras, sopro e percussão. É a principal ação coordenada pela Associação Amigos do Projeto Guri (AAPG), cuja missão é promover, com excelência, a educação musical e a prática coletiva de música, tendo em vista o desenvolvimento humano de gerações em formação. 

O Projeto Guri veio para Jales em 2006. Hoje, atende mais de 158 alunos matriculados, frequentando o polo, que ocupam 190 vagas das 208 vagas que o Projeto Guri oferece na cidade de Jales. Os alunos não podem estudar em 2 cursos de instrumentos, mas podem optar pelo coral, ocupando, assim, no polo, duas vagas. Em Jales, o projeto conta com a ajuda de duas empresas que auxiliam no lanche oferecido aos alunos, Keleck e Saboraki. 
Com cursos de coral infantil, coral infantojuvenil, cordas agudas (violino e viola erudita, cordas graves (violoncelo e contrabaixo acústico), madeiras (clarinete, flauta transversal, saxofone alto e saxofone tenor), metais (eufônio, trombone e trompete), percussão e bateria, violão.
Segundo Leandro Augusto Pedroso, coordenador do Polo  Jales, os cursos mais procurados durante o período de inscrições são o de violão e percussão (bateria).
Os responsáveis pelo aprendizado musical dos alunos em Jales são os professores: Francismir Soares Gomes da Silva, coral infantil e juvenil; Danilo Campagnoli, cordas agudas; Gutemberg de Oliveira, cordas graves; Luciana Regonha, madeiras; Luciano Dourado, metais; Emerson Botton, percussão e Otoniel Viana, violão. 
Além do grande domínio musical, os docentes procuram não apenas ensinar, mas também suprir as dificuldades musicais e sociais de seus alunos:
Otoniel Viana, professor de cordas dedilhadas (violão) do Projeto Guri Jales, há 4 anos.
“Quando o aluno se matricula no curso, ele já está realmente interessado em aprender a tocar aquele determinado instrumento. Em minhas aulas, os alunos aprendem tanto o violão clássico, que executa melodia, quanto o violão popular, que é o tocado por cifras. 
Para mim, é um grande prazer ensinar, as minhas turmas são ótimas e com bom comportamento. O que acontece às vezes é a dificuldade de um aluno e outro, do nível deles não ser o mesmo e, resolvemos isso com exercícios e músicas mais facilitadas.
O projeto Guri é uma organização social de cultura que, além de desenvolver durante as aulas a parte técnica e educacional, contempla também outras partes, como por exemplo, social Nós nos preocupamos com a questão comportamental do aluno, que, às vezes, no início das aulas, não se demonstra tão brilhante com o instrumento, mas ao longo do tempo, percebemos que ele vai melhorando não apenas sua performance, mas também seu comportamento em aspectos gerais”.

Para os alunos, o projeto é uma grande oportunidade de aprendizado, até para os momentos de lazer com amigos e família, como explica o aluno José Henrique Barrientos, 14 anos, estudante da E.E. Dom Artur Horsthuis, que estuda violão no Projeto Guri há 3 anos. 
“Minha vida mudou depois que eu comecei o curso no Projeto Guri. Agora, todas as festas que tem em minha casa ou até em outros lugares, pego o violão e sempre rola a festa. Gosto muito de música raiz e rock, principalmente Raul Seixas, então, acaba sendo um sucesso nas festas em família e com amigos. 
Aqui, aprendemos muitas coisas. O professor Otoniel nos ensina a ler partituras e, também, a prestar atenção no som que o instrumento produz.  Aprendi aqui, que, muitas vezes, as pessoas não são tão boas para se expressar com palavras, mas se você entrega algum instrumento na mão delas, elas conseguem se expressar muito bem. Para mim, o curso é realmente muito bom e compensa fazê-lo”.